“Je Ne Veux Pas Travailler” – Locais para te aqueceres e inspirares fora de casa

 


Ma chambre a la forme d’une cage

Le soleil passe son bras par la fenêtre

Je ne veux pas travailler

Je ne veux pas déjeuner

Je veux seulement oublier

Et puis je fume

Se é este o hino que soa em tua casa nos dias frios de Inverno, se o teu quarto se afigura mais com uma gaiola e simultaneamente pareces ter todas as desculpas do mundo para não fazer nada, por que não sair à procura de motivação? Para estudar ou reflectir sobre a relevância da pevide, veste a gabardina, entrelaça o cachecol, chama uns amigos e escolhe um dos locais quentinhos à tua disposição.
 

No Largo

Em tempos apenas local de passagem (também de gente e bens de índole duvidosa!), o Largo do Intendente é hoje um pequeno canteiro em crescimento, onde podes encontrar cada vez mais cafés agradáveis e convidativos.

O Largo Café Estúdio, de entrada perdida entre fachadas de azulejos, não é tão pequeno quanto parece. Espaço dinâmico e multicultural, como o bairro onde está inserido, merece uma visita por quem se atrai por este tipo de ambiente. As mesas junto ao balcão são mais luminosas, no entanto o espaço tende a ser mais barulhento, sendo talvez uma boa opção para quem quer pôr a conversa em dia ou para os que estão habituados a estudar com phones nos ouvidos. Como alternativa, tens ao fundo uma sala normalmente mais silenciosa e recatada, a meia-luz, para os que preferem um ambiente mais intimista. Os preços são bastante acessíveis e tens sempre um ótimo bolo de chocolate à tua espera. Fica também atento aos acontecimentos musicais, exposições, tertúlias e exibições de filmes, pois aqui os dias não se repetem. Atenção: encerra às segundas.

No mesmo largo, a Casa Independente passa despercebida aos olhos de quem não se der ao trabalho de espreitar e subir ao primeiro andar do número 45. Mais do que um café é um espaço artístico e cultural e ainda uma das delegações da cooperativa Fruta Feia. Durante o dia, os salões espaçosos decorados com mobiliário do século passado vão-te fazer sentir à vontade para te dedicares ao que o dia te inspirar: ler um livro, escrever a wishlist para 2015, beber um bom copo de vinho quente, ou, porque não, coscuvilhar sobre a malta da Frontal enquanto fazes tricô. As mesas grandes fazem dele um bom local de reunião para trabalhos de grupo e o agradável pátio interior é uma boa alternativa para fumadores (não querendo apelar aos maus vícios) ou simplesmente para uma pausa refrescante.

Largo do Intendente| Metro: Intendente (linha verde) | Autocarro: Autocarros: 708, 709, 711, 714, 732, 736, 737, 740, 746, 759, 760 | Elétricos: 12, 15, 28


No Campo

Para muitos um dos bairros de maior requinte, onde o metro ainda não chegou, Campo de Ourique não é assim tão inacessível e esta pode ser uma boa altura para o explorares. Se te agrada a ideia de numa só deslocação poderes aliar os deveres do estudo às tuas necessidades culturais, aconselhamos-te a passar pela Casa Fernando Pessoa. Nesta casa, fundada em memória do escritor, podes visitar a área reservada ao museu, por 2 euros (preço estudante), onde encontrarás parte do espólio do poeta. Em alternativa, podes simplesmente ficar pela biblioteca, um espaço dedicado à poesia em geral e em particular às obras pessoanas, onde, escutando os conselhos de Ricardo Reis, certamente lograrás alcançar um estudo harmonioso – “Põe quanto és no mínimo que fazes.” A biblioteca é pequena, tendo no entanto a vantagem de poucos a conhecerem e estar frequentemente vazia; esta dispõe igualmente de wi-fi. O museu está aberto de segunda a sábado das 10h00 às 18h00 e a biblioteca de segunda a sexta com o mesmo horário.

“Põe quanto és no mínimo que fazes”, escutando os conselhos de Ricardo Reis, poderás harmoniosamente dedicar-te ao estudo.

Quando a fome apertar, podes encontrar na mesma rua o moderno Mercado de Campo de Ourique, espaço energético que por certo te ajudará a despertar depois de umas horas no silêncio dos livros.

Rua Coelho da Rocha, 16| Metro: Rato (linha amarela) | Autocarro: 709, 713, 720, 738 e 774 | Eléctricos 25 e 28


Na Liberdade

Porque o estudo será sempre um filme de ação rasca – mas que pode ser visto com outros olhos – não tenhas medo de abandonar a tua secretária quando esta mais se parecer com uma papeleira gigante; não faças de ti uma vítima, mascara-te de Lannister e dedica-te à refleção na mesa aristocrática da Cinemateca Portuguesa. Talvez não o saibas, mas este museu do cinema disponibiliza-te dois espaços bastante acolhedores onde estudar, uma nobre biblioteca e a cafetaria. O facto de não existir wi-fi pode ser visto como uma vantagem, se considerarmos que esta entidade é responsável por cerca de 90% das distrações! A biblioteca está aberta de segunda a sexta das 14h às 19h30, e a cafetaria de segunda a sexta das 12h30 às 23h30 e sábado das 14h30 às 23h30.

Rua Barata Salgueiro, 39| Metro: Avenida (linha azul) | Autocarro: 709, 711, 732, 736, 746, 783


No Chiado

Por outro lado, se ainda te apoquentam os deveres Natalícios, porque não juntar o útil ao agradável e perderes-te pela Baixa Lisboeta? Após a travessia desenfreada na busca pelo presente ideal, entre lojas, pessoas, sacos, e mais pessoas, procura um dos muitos cafés quentinhos à tua disposição e deixa-te recostar. Num pequeno beco em pleno Chiado, encontrarás o Café Fábulas, com um ar entre o oásis subterrâneo, a caverna moderna e o ateliê de costura da avó do capuchinho vermelho. Sem dúvida um sítio giro onde tomar um chá em boa companhia. Se procuras um pouco de calma para estudar ou ler, certamente também a encontrarás num dos vários recantos confortáveis desta casa.

Calçada Nova de São Francisco 14 | Metro: Baixa-Chiado (linhas Verde e Azul) | Autocarro 92| Elétrico 28


No Shopping

Numa perspetiva mais comercial, outra hipótese é perderes-te pelo El Corte Inglés, pegares rapidamente nuns presuntos gourmet para o pai e numas peúgas com renas para a prima, e acabares a tarde no novo Starbucks. Mais um membro da cadeia que todos conhecemos, este Starbucks fica num local estratégico da cidade e, apesar de parecer demasiado exposto aos ruídos e confusões das redondezas, na verdade não o é, tendo um ligeiro desnivelamento em relação ao exterior. O ambiente é em tudo semelhante ao que estamos habituados, quentinho e agradável sobretudo nesta época natalícia, com as madeiras, as luzes e o cheirinho a café a fazer parecer que partilhamos a mesma manta na sala de estar… só lhe falta mesmo a lareira! Para os que gostam das poltronas e sofás, estes também estão em falta, no entanto, de bem-vindo que é, o povo estudantil tem agora três mesas redondas reservadas para si e para a sua tralha.

Avenida António Augusto de Aguiar 31| Metro: São Sebastião (linhas azul e vermelha) | Autocarro: 718, 742, 746


No fundo, não faltam locais a chamar por ti nesta cidade! Se ficas por cá este Natal, não te deixes aborrecer; à falta de melhor programação, como seja devorar Bolo-Rei em família, aproveita para explorar alguns dos sítios que te são sugeridos. Se só voltas para o ano, vamos ser Frontais… tens ainda um longo inverno para te aborreceres.

Boas Festas!

escolhe outro