Microbiota intestinal e o cérebro – a relação improvável?