Novo Coronavírus, Nova Ameaça?

A OMS convocou, esta semana, uma reunião de emergência, com o objetivo de discutir a gravidade da estirpe emergente de Coronavírus – que tem assolado particularmente o Médio Oriente – e de se tomarem eventuais medidas de prevenção. Afinal que novo vírus é este? Será motivo de preocupação? Estará o mundo perante uma nova epidemia?

mers-editedOs Coronavírus (CoV) são espécies de vírus capsulados pertencentes à família dos Coronaviridae, apresentando um genoma de RNA de cadeia simples e uma cápside helicoidal. O seu nome deriva do latim corona, que significa coroa ou halo, e refere-se à aparência característica dos viriões em microscopia eletrónica, que lembra o invólucro luminoso do Sol. Para a sua estrutura geral contribuem várias proteínas, como as glicoproteínas S (spike), as proteínas do invólucro (em inglês, envelope – E), as proteínas de membrana (M) e as da nucleocápside (N). Os Coronavírus podem causar uma variedade de doenças humanas, que vão desde a vulgar constipação à grave Síndrome de Angústia Respiratória do Adulto ou Síndrome Respiratória Aguda Severa (Severe Acute Respiratory Syndrome – SARS), que vitimou cerca de 8000 pessoas em 2003.

O novo membro da família

No entanto, não é sobre este Coronavírus causador da SARS (SARS-CoV) que as atenções têm recaído nos últimos meses, mas sim sobre uma nova estirpe deste vírus que surgiu em Setembro de 2012, na Arábia Saudita, e que já infetou cerca de 80 pessoas (45 das quais acabaram por falecer). A grande maioria destes casos ocorreu em residentes daquele país ou em pessoas que o haviam visitado recentemente e que, por isso, acabaram por disseminar a doença para outros locais do planeta, daí que tenha sido atribuído o nome de Síndrome Respiratória do Médio Oriente (Middle East Respiratory Syndrome – MERS) à mesma. Esta manifesta-se como uma pneumonia atípica com complicações renais que, em último caso, pode ser fatal.

Perigo eminente? 

Ainda não foi identificado o animal que constitui o hospedeiro natural do vírus, com o qual o Homem terá contactado, levando ao início da disseminação da doença. No entanto, sabe-se que o primeiro caso de transmissão pessoa-a-pessoa foi notificado no passado mês de Abril, em França. A análise de 55 pessoas infetadas no Médio Oriente, por parte da equipa de Arnaud Fontanet, do Instituto Pasteur, permitiu concluir que, no pior dos cenários, o vírus terá uma transmissibilidade de 0,69 – ou seja, se 100 pessoas se infetarem, 69 das mesmas contrairão a doença. Para que uma epidemia ocorra, é necessário que o valor de transmissibilidade seja superior a 1, portanto, pelo menos de momento, esta nova estirpe (MERS-CoV) ainda não é capaz de desencadear uma epidemia. Contudo, segundo Fontanet, as pessoas não devem deixar de se preocupar, sendo este o momento mais oportuno para a compreensão do modo de atuação do vírus. Como o MERS-CoV nunca havia sido detetado anteriormente em humanos, a informação disponível acerca da gravidade da doença e do seu impacto clínico é ainda limitada.

Contacto Vírus-Hospedeiro  

Em termos moleculares, sabe-se que o contato entre o vírus MERS-CoV e as células do hospedeiro é efetuado através da ligação entre a glicoproteína S viral e o CD26, glicoproteína intrínseca de membrana com função antigénica, associada a regulação imune, transdução de sinal e apoptose. O domínio de ligação ao recetor (Receptor Binding DomainRBD) da glicoproteína S é constituído por um subdomínio central e um subdomínio de ligação ao recetor, interagindo este último com a β-hélice do CD26. O RBD do MERS-CoV e o do SARS-CoV possuem um elevado grau de semelhança estrutural nos seus subdomínios centrais, mas divergem bastante ao nível do subdomínio de ligação ao recetor. Estudos de mutagénese têm identificado vários resíduos-chave neste subdomínio que são fundamentais para a ligação RBD-CD26 e para a penetração viral na célula-alvo. As especificidades atómicas na interface desta ligação poderão vir a auxiliar na compreensão desta interação e na estrutura do próprio vírus, abrindo caminho para o desenvolvimento de terapêutica e/ou vacinas contra a infeção pelo MERS-CoV.

OMS em estado de alerta

Apenas pela segunda vez desde a sua fundação, a Organização Mundial de Saúde (OMS) convocou uma reunião de emergência para se discutir acerca de um novo vírus. A primeira tomou lugar em 2009, aquando da pandemia do vírus da gripe H1N1. A reunião decorreu por via telefónica, em dois dias (9 e 11 de Julho), e reuniu profissionais das mais diversas áreas, como Saúde Pública, Epidemiologia e Virologia. Nesta reunião pretendia-se decidir se o MERS-CoV poderá ser etiquetado de “emergência sanitária a nível internacional”. Os profissionais de saúde estão preocupados com o perigo que a peregrinação Hajj – que atrai milhões de visitantes a Meca e Medina, todos os anos, no mês de Outubro – poderá constituir para a taxa de infeção pelo MERS-CoV. Por este motivo, Christian Drosten, virologista na Universidade do Bonn Medical Centre, na Alemanha, afirma que a OMS precisa urgentemente de decidir, antes daquele mês, se serão necessárias estabelecer restrições de viagens para prevenção da disseminação da doença.

corona      

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here