Quem quer viver para sempre?

Para o ser humano, entender um século como um limite de vida deixou de ser um dado adquirido à nascença. Atualmente, a investigação relacionada com o aumento da esperança de vida e com os fatores condicionantes é uma constante. Se a humanidade já deu provas de vencer na vida, especialmente na ciência, poderá quebrar vitoriosamente a meta da morte?

103293_Papel-de-Parede-Estrada-sem-Fim_1600x1200O povo Japonês é um dos mais abençoados com a sua longevidade. A OMS refere, no entanto, que o segredo dessa longevidade não é somente devido à qualidade e equilíbrio da sua alimentação, mas também deriva das medidas de saúde pública, cultura e educação.

Um artigo recentemente publicado na Nathional Geographic prova que os nossos genes são verdadeiras fontes de vida, escondendo segredos excecionais para a longevidade que vão sendo agora desvendados.

Diversas populações mundiais são agraciadas com o poder de poderem ultrapassar em larga escala a esperança média de vida, como os Equatorianos, os Judeus Ashkenazi e os Nipo-americanos.

Dos Equatorianos destacam-se os que possuem Síndrome de Laron, uma doença autossómica recessiva caracterizada por uma insensibilidade à hormona GH (Hormona de crescimento), que possui o inconveniente de dificultar o crescimento dos seus herdeiros. Porém, foi comprovado que esta mutação será responsável por um extraordinário efeito protetor da Diabetes e do desenvolvimento de Cancro. Andrzej Bartke desenvolveu experiências com roedores que revelaram que os animais que possuíam este tipo de mutação viviam mais tempo (40%) do que os que não a possuíam.

Os Judeus Ashkenazi apresentam mutações nos genes codificantes para Apo C3 (Apolipoproteína C3) e PECT (proteína de transferência de ésteres de colesterol), estando estes associados à diminuição do risco de Alzheimer e de hipertensão arterial na sua população idosa.

Por sua vez os Nipo-americanos, ao apresentarem uma mutação no gene FOXO3a, apresentam uma diminuição da ocorrência de carcinomas e de doenças cardiovasculares, de acordo com investigações da Universidade do Hawai.

Outras moléculas poderão estar também envolvidas na longevidade humana, nomeadamente a HDL (lipoproteína de elevada densidade), que existe em abundância nestes indivíduos, e que é transmitida também para os seus filhos. Nas mitocôndrias poderá residir similarmente o segredo da longa existência, identificado pelo investigador Nir Barzilai. As mitocôndrias dos indivíduos centenários analisados possuem proteínas, designadas mitoquinas, que quando administradas a roedores diabéticos permitem normalizar o seu nível de glicémia em poucas horas. O investigador afirma ainda que “há possivelmente influencias no útero que afetam os mecanismos genéticos e que determinam o ritmo de envelhecimento.”

Em março do presente ano, uma equipa de investigadores do Centro de Neurociência e Biologia Celular da Universidade de Coimbra demonstrou que o composto resveratrol, presente no vinho tinto, tem propriedades de anti-envelhecimento, sendo a chave deste processo a enzima SIRT1, que é ativada pelo resveratrol, e que se mostrou eficaz ao prolongar o tempo de vida de leveduras, vermes e moscas da fruta. Poderá ser este o novo elixir da vida?

Serão os nossos genes os grandes responsáveis pelo adiamento da morte?

Até quando poderemos vencer a morte, tendo a medicina moderna como aliada ao nosso património genético?

Para aqueles que querem viver para sempre, estes são alguns dos mistérios para os quais se espera obter brevemente resposta.

Untitled

Artigo anteriorSol, o oportunista dos ginásios II
Próximo artigoCiência leve, levezinha, é na Champalimaud
Ana Rute Marques é aluna do 5º ano da FCM-NOVA. Nascida em Lisboa, cresce em Corroios. Ingressa no ensino superior em 2009, na Faculdade de Ciências Médicas, no mestrado integrado de Medicina. É colaboradora da Revista FRONTAL desde o início de 2013. Os seus interesses pessoais, além da Ciência (em especial das Neurociências), abrangem o Mundo Animal, a 7ª arte, as técnicas de Defesa Pessoal e os Clássicos da Literatura Portuguesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here