Revolução Y

A História do Cromossoma que se Revoltou contra o Sistema.

Depois de ter sido descoberto que o cromossoma Y tem vindo a degenerar geneticamente desde a sua origem, foi posta em causa a sua longevidade. Irá o Y desaparecer do genoma humano?

Revolucao Y

[column size=”one-half”][list type=”arrow”][li]A sobrevivência do cromossoma Y tem vindo a ser posta em causa.[/li][li]Desde a sua origem sofreu um processo de especialização funcional.[/li][li]Possui estratégias próprias para a manutenção da sua diversidade.[/li][/list][/column][column size=”one-half” last=”true”]O genoma humano pode ser visto como um livro onde é contada a história da nossa evolução como espécie. Se olharmos com atenção para os nossos genes podemos encontrar pistas que nos aproximam das nossas origens. Uma das mais interessantes e inesperadas histórias da genética pode ser contada por um peculiar aglomerado de [/column]material genético ao qual se chamou de cromossoma Y. O Y pode ser visto como um símbolo revolucionário no genoma humano, uma vez que lutou contra várias conceções evolutivas ao rejeitar a recombinação sexual. Como consequência entrou num conflito com o seu par, o cromossoma X, e tem vindo desde a sua origem a degenerar geneticamente até ao ponto da sua sobrevivência ter sido posta em causa por muito investigadores. Tal como é escrito num artigo da autoria de Paulo Navarro-Costa do Instituto Gulbenkian de Ciência, «o Y traz o espírito do rock & roll ao nosso genoma» (Sex, rebellion and decadence: The scandalous evolutionary history of the human Y chromosome).

Os cromossomas X e Y são conhecidos como cromossomas sexuais pela razão óbvia de determinarem de uma forma quase perfeita o sexo do individuo. É conhecimento geral que todos os indivíduos recebem um cromossoma X da sua mãe, e caso herdem outro X do pai são do sexo feminino, mas se o cromossoma paterno transmitido for o Y o individuo é do sexo masculino. Isto é uma regra para a espécie humana com poucas exceções. Como os homens não têm um cromossoma X de reserva, estão muito mais suscetíveis a sofrer as consequências de genes defeituosos recessivos. Até agora isto não é novidade nenhuma. Contudo, não foi há muito tempo que o futuro do Y foi posto em causa após ter sido estipulado que, desde o seu aparecimento há cerca de 160 milhões de anos, o cromossoma já perdeu aproximadamente 97% dos seus genes iniciais (cerca de 1393 genes). Considera-se que, se o Y continuar a perder genes a este ritmo, nos próximos milhões de anos acabará mesmo por desaparecer. Mas se o cromossoma Y desaparecer, irá o sexo masculino desaparecer com ele? Surgirão novas maneiras de determinar o sexo? Este é um dilema que intriga a comunidade científica há anos e para o qual têm vindo a surgir cada vez mais respostas. Contudo, antes de esclarecer o futuro do Y, é necessário olhar para o seu passado.

[pullquote]Desde o seu aparecimento há cerca de 160 milhões de anos, o cromossoma já perdeu aproximadamente 97% dos seus genes iniciais [/pullquote]É bastante aceite na comunidade científica que os cromossomas X e Y derivaram de um par de cromossomas idênticos. Foi uma mutação num destes autossomas ancestrais que deu origem a um gene que determina o sexo do indivíduo. Foi assim que surgiu o proto-cromossoma Y e se fez a transição do hábito réptil de determinar o sexo a partir da temperatura de incubação para uma determinação do sexo que é genética. No ser humano e noutros mamíferos placentários o gene que decide o sexo do indivíduo é chamado de SRY e a sua presença determina a masculinização por influenciar o desenvolvimento testicular e a produção de testosterona.

Revolucao Y 2

Rapidamente após o seu aparecimento, o cromossoma Y começou a adquirir genes secundários que beneficiam o sexo masculino e outros que chegam mesmo a ser prejudiciais para o sexo feminino. Não demorou muito tempo até se desenvolver um antagonismo entre o Y e o X e, logo desde início, a recombinação genética entre os dois era um problema: um indivíduo de um determinado sexo poderia ter em falta genes necessários para o seu papel sexual ou até adquirir genes que seriam desfavoráveis. Foi então necessário suprimir a recombinação meiótica de forma que cada um dos cromossomas sexuais pudesse seguir a sua trajetória evolutiva: estabilidade no caso do X e especialização funcional no Y. Tanto a própria acumulação de genes masculinos, como grandes rearranjos estruturais afetaram criticamente o emparelhamento meiótico.

Enquanto o X reteve a maior parte do material genético do autossoma original, a especialização do Y envolveu a perda rápida do seu conteúdo primitivo e a manutenção de um grande conteúdo de pseudogenes. Esta deterioração resulta de uma grande acumulação de mutações aliada a uma menor capacidade de reparação, uma vez que o Y não tem um par homólogo com quem possa trocar material genético. Este último facto resultou numa ineficiente seleção natural com uma maior predisposição a acumular ADN não codificante. O mesmo não aconteceu ao X pois este continuou a sofrer recombinação meiótica com outro X na linhagem germinativa feminina.

[pullquote align=”right”]É possível que, numa fase inicial, o Y se tenha livrado rapidamente dos genes que o tornavam “fraco”, mantendo apenas os genes essenciais para a sua sobrevivência. [/pullquote]Com isto, qual será mesmo o futuro do cromossoma Y? Estudos recentes com macacos Rhezus verificaram que apenas se perdeu um gene no Y desde que a espécie humana terá divergido de um ancestral comum há cerca de 25 milhões de anos atrás. O que confirma algo que se já tinha vindo a especular: o decaimento genético do Y afinal não seguiu uma progressão linear. Terá o Y evoluído por fases? É possível que, numa fase inicial, o Y se tenha livrado rapidamente dos genes que o tornavam “fraco”, mantendo apenas os genes essenciais para a sua sobrevivência. Com estas novas respostas surge uma nova questão: que mecanismos evolutivos é que se desenvolveram para conseguir evitar o drástico destino que os cientistas haviam previsto para este cromossoma?

Uma forte hipótese relaciona-se com a descoberta de que, mesmo sem um parceiro para recombinação, o Y arranjou maneira de garantir a manutenção da diversidade nos seus segmentos codificantes através da recombinação intracromossómica. Como este cromossoma é de certa forma o único que se encontra sozinho no genoma humano, em vez de ter cópias dos seus genes num outro cromossoma homólogo, tem-las em si próprio. Assim, mesmo ocorrendo erros genéticos, ele consegue utilizar esses genes duplicados como base para se corrigir a si próprio.

Apesar de tudo, não se pode dizer que o Y esteja estabilizado evolutivamente e esta discussão continua bastante polémica no meio científico. Todavia, enquanto o Y continuar a ter um papel essencial na masculinização e nas funções de reprodução masculina e enquanto a sua taxa de rearranjos seletivamente positivos e neutros se mantiver elevada, será difícil de imaginar um futuro em que este cromossoma não faça parte do cariótipo humano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here