Eis a Questão: Dra Helena Vieira

Como reduzir os índices de mortalidade neonatal

por encefalopatia hipóxica – isquémica?

Doutora Helena Vieira e Doutora Cláudia Queiroga

Cell Death and Disease Lab, CEDOC

[hr]

Doutora Helena Vieira
Doutora Helena Vieira

Encefalopatia devido à asfixia perinatal representa 23% das causas de morte neonatal em todo o mundo, sendo uma das 20 maiores causas de doença em todas as faixas etárias (Organização Mundial de Saúde). No entanto os mecanismos celulares e bioquímicos envolvidos, assim como a sua correlação com o resultado final da patologia, ainda são pouco conhecidos. O presente projeto de investigação tem como principal objetivo explorar o papel das vias de sinalização da heme-oxigenase/monóxido de carbono (HO/CO) que, quando ativada, induz proteção celular por uma grande variedade de vias. Numa primeira abordagem mais fundamental serão utilizados modelos animais de roedores de asfixia perinatal com ou sem subsequente exposição à hiperóxia (de forma a melhor mimetizar a clínica). As vias de sinalização HO/CO serão estudadas tendo como alvo diferentes processos celulares: mecanismos de morte celular (apoptose e/ou necrose), metabolismo celular e envolvimento mitocondrial.

Numa fase mais avançada do projeto, e já baseado nos resultados experimentais, proceder-se-á à identificação de novos biomarcadores humanos relacionados à asfixia perinatal (sangue e urina). O grande desafio e novidade do presente projeto consiste no seu caráter de investigação biomédica translacional construindo uma ponte entre os recursos existentes na investigação fundamental e clínica do CEDOC.

[list type=”arrow”] [li]MAIS INFORMAÇÕES – Biomedical and Translational Research, Cell Death and Disease[/li] [/list]

Artigo anteriorEis a Questão: Dr Ricardo Fernandes
Próximo artigoDar à Luz na Idade das Trevas
Ana Rute Marques é aluna do 5º ano da FCM-NOVA. Nascida em Lisboa, cresce em Corroios. Ingressa no ensino superior em 2009, na Faculdade de Ciências Médicas, no mestrado integrado de Medicina. É colaboradora da Revista FRONTAL desde o início de 2013. Os seus interesses pessoais, além da Ciência (em especial das Neurociências), abrangem o Mundo Animal, a 7ª arte, as técnicas de Defesa Pessoal e os Clássicos da Literatura Portuguesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here