Entrevista com Sonia Trigueros

Sonia Trigueros é investigadora no Oxford Martin Institute of Nanoscience for Medicine e no Departamento de Física, na Universidade de Oxford. Actualmente, está a cargo de seis projectos: investigação básica na interacção do DNA com fármacos, nanosistemas inteligentes, monitorização dos efeitos de nanopartículas celulares, mecanismos da interacção entre células e nanopartículas, sistemas de entrega nano-genes e desenvolvimento de um novo método para criar uma vacina bacteriana atenuada por condensação de ADN in vivo. Durante o iMed Conference 8.0, a simpática investigadora barcelonense explicou à Revista FRONTAL quais os desafios que a investigação enfrenta e o porquê de investigar nanopartículas.


O campo da nanomedicina é relativamente recente e parece trazer um novo mundo de possibilidades terapêuticas, desde a nanoimpressão aos nanodispositivo de entrega. Por que razão escolheu este campo para desenvolver a sua investigação?

Nada em particular, na realidade. Entrei nesta área de investigação porque estava a usar ferramentas de nanotecnologia para visualizar moléculas biológicas como ADN, proteínas, bactérias, vírus. Comecei pela microscopia, a parte da nanotecnologia que mais me atraía, porque conseguia atingir o nível atómico e estava a começar a visualizar células numa perspectiva agradável. Conseguia visualizar as proteínas de membrana, conseguia “esmurrar” as membranas celulares e verificar as suas propriedades mecânicas. Por isso, estava mais interessada em microscopia, mas depois, ao trabalhar com diferentes departamentos, [apercebi-me que] havia muitas pessoas a trabalhar com diferentes nanoestruturas, com vários objectivos diferentes. Se se trabalhar em investigação na área do cancro por muitos anos, torna-se cansativo procurar novos fármacos, novos métodos, diagnósticos e, por isso, pensei “porque não tentar?”. Tinha os fármacos, tinha muito conhecimento sobre os alvos – as proteínas -,  tinha as células. Foi nesta altura que fiquei muito interessada nos sistemas de entrega de nanofármacos. A ideia era mais a utilização da microscopia electrónica.

O trabalho de um investigador é recompensador, apesar de por vezes frustrante. O que considera ter sido o seu maior obstáculo durante a sua investigação?

Bem, financiamento, cargos permanentes… O teu percurso académico não é aquele que te descrevem enquanto estudante. Não é, “tu és um estudante”, depois “és um pós-doc” e depois obténs um cargo académico. Este é o principal obstáculo: até teres um cargo permanente não consegues aprofundar a tua pesquisa. E esse é o bloqueio. Além disso, este é o bloqueio para todos, desde as áreas das ciências sociais, economia… Não só nesta área, mas em todas as áreas académicas. Para mim é o pior. E alguns colaboradores… [risos]


Fotografia e Tradução: Marta Rodrigues

Gravação: Beatriz Nunes

Coordenação de Imagem: José Pedro Mendes

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here