Encosta-te a mim

Encosta-te a Mim

São simples as diretrizes do Homem Comum: gasta um terço da vida a dormir; outro terço gasta-o a trabalhar (possivelmente); passa, grosso modo, vários anos a comer, a beber, a procriar… São estas as necessidades que ditam o comportamento desta espécie.

Mas nós – estudantes de Medicina – não somos como o Homem Comum. Somos a nata da sociedade! (Não fossem a lisonja e o elogio tão importantes como são os lubrificantes para rodas). Desta máxima surge uma ilação: a de que o nosso tempo é dedicado a atividades muito superiores às dele, em todas as medidas. Exemplo e prova de tudo isto é o nosso muy nobre e querido afazer de todos os dias: estar encostados à parede.

O estudante de Medicina sofre de uma paixão pouco natural pelo estuque.

Vêmo-lo no caloiro que espera horas no corredor de anatomia para ser chamado à oral. Vêmo-lo no colega que se passeia pela enfermaria quando o seu assistente desaparece. Vêmo-lo no estudante que passa cinco horas no bloco operatório sem sequer ver um pingo de sangue. Não chega a ser irónico que o próprio símbolo da nossa faculdade seja uma fachada? O nosso amor é puro!

Em verdade vos digo: uma hora do estudante de Medicina encostado à parede tem dez, tem cem, tem mil vezes mais valor que toda a vida de um Homem Comum.

Mas um fenómeno peculiar decorre deste quotidiano. Tal como tudo o que é bom mas persistente se torna crónico, assim o comportamento se torna essência: o encosto físico que a parede nos proporciona parece tornar-se com o tempo num encosto para a alma.

Esta metamorfose nada mais é que uma defesa, uma defesa para as desilusões que vivemos como estudantes de Medicina. É o nosso covil, se quisermos. É a reação mais fácil para o mantra que nos murmuram diariamente ao ouvido: “todos querem o mesmo, todos são iguais; quem pensa de outro modo vai pelo seu próprio pé para o manicómio!”. É a caminhar este trilho que vamos perdendo as nossas convicções. É aqui que tem origem o nosso espírito de passividade. Quando a nossa alma se encosta à parede ficamos assim, confortavelmente entorpecidos…

Estudantes de Medicina do mundo, desencostai  -vos!

Não tendes nada a perder a não ser o conforto do vosso lombo. Participa, vive, sai, experimenta. Larga os livros, deixa a sebenta e queima os apontamentos. Vivemos tempos de novos inícios! Só viverás o teu se te desencostares. Não se olhe à pequenez deste primeiro passo: o que no princípio é bem feito permanecerá bem feito para sempre.

«But it was only a fantasy
The wall was too high as you can see
No matter how he tried he could not break free
And the worms ate into his brain»

O Crónico

Artigo anteriorEste País Também É Para Novos!
Próximo artigoMini-Guia: Alemanha, Áustria e Suíça
Ex-aluno da Faculdade de Ciências Médicas, atualmente Interno do Ano Comum, André Ferreira participou na vida académica da sua faculdade tendo sido membro da Direção da AEFCML no mandato 2012/2013, onde foi responsável pelo departamento de Imagem e Comunicação. Participou nas Comissões Organizadoras do iMed Conference 4.0 e 5.0. Foi Diretor da Revista FRONTAL durante o mandato 2012/2013 e responsável por várias áreas de imagem no mandato seguinte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here