Arma(dura)s Biológicas

O pior surto de sempre do vírus do Ébola está a decorrer neste momento. Embora a Medicina esteja a caminhar para o seu mais alto nível de sempre, surgem pequenos microrganismos que nem mesmo a poderosa tecnologia consegue travar.

ébola2

São contabilizados cerca de 3.069 casos e 1.552 mortes* mas os números crescem exponencialmente em meros dias nos quatro países da África Ocidental – Guiné-Conacri, Libéria, Serra Leoa e Nigéria -, divulgou a OMS. Teve início em Dezembro de 2013 mas apenas em Março os casos começaram a disparar, chegando ao actual descontrolo que leva a OMS a declarar esta situação como uma crise de emergência global.

 “[Vive-se em] clima de medo geral, como em tempo de guerra (…) As pessoas desconfiam dos centros de saúde. O acompanhamento dos doentes é insuficiente”  Joanne Liu, presidente da organização Médicos Sem Fronteiras

Apesar de não ser o primeiro surto causado pelo vírus Ébola, esta brutal epidemia não tem (ainda) cura à vista, apesar de aparentemente (e inicialmente) parecer simples com os seus sintomas semelhantes aos de uma gripe: febre, dores musculo-articulares, dores de garganta e de cabeça e fadiga. Contudo, a gravidade da implantação do vírus nas células endoteliais do organismo reflecte-se nas hemorragias internas, fruto do colapso dos órgãos e vasos afectados. Estas, assim como os vómitos e a diarreia que causam desidratação e perda de nutrientes, são as principais formas de contágio desta febre hemorrágica, pelo que a prevenção recai sobre evitar o contacto com o sangue, fluidos e mesmo com os cadáveres das pessoas infectadas.

Existem 5 estirpes do vírus que se pode transmitir pelo contacto animal-humano ou humano-humano.
Existem 5 estirpes do vírus que se podem transmitir pelo contacto animal-humano ou humano-humano.

Num mundo onde os cuidados de saúde são básicos, com apenas 0,1 médicos e 2,6 enfermeiras por 10.000 pessoas, o surto de Ébola fez colapsar o sistema de saúde da Libéria, onde os cuidados de saúde são limitados pela pobreza existente que, aliada à consequente falta de conhecimento em relação ao vírus, leva a que as condições das instalações de saúde sejam mínimas e, por isso, a transmissão do vírus elevada. Por outro lado, o preconceito e medo existentes relativamente à Medicina Ocidental levam a população local a hesitar em procurar ajuda, contribuíndo para o caos. Perante esta tempestade e com uma enorme urgência para travar esta epidemia, a OMS autorizou, sem outra alternativa, o tratamento dos doentes com medicamentos ainda em fase experimental e apelou a toda a ajuda internacional possível.

“Não nos devemos esquecer que esta é uma doença de pobreza, de sistemas de saúde disfuncionais e da desconfiança”  Peter Piot, director da London School of Hygiene and Tropical Medicine

Desconhecendo-se a origem desta tempestade tropical, levanta-se a questão da produção de minúsculas gotículas inaláveis produzidas em laboratório, apesar de a doença não ser naturalmente transmitida por via aérea. Devido a esta potencial via de transmissão, este vírus, que envolve cinco estirpes diferentes, pode ser classificado como uma arma biológica.

Num mundo que caminha constantemente em direcção ao conhecimento e onde reinam muitas vezes valores moralmente pouco correctos, com eternas guerras e jogos de poder, uma bomba como este minúsculo vírus numa pequena população seria, a pouco e pouco e (diga-se) naturalmente, como que uma catástrofe, podendo chegar a qualquer canto do mundo e afectar milhões de pessoas – colocando também, por sua vez, em causa os valores éticos da Medicina. Não há dúvida que os profissionais de saúde têm, realmente, o poder de dar e tirar vida; então, até que ponto poderá ser levada esta perigosa classificação? Perante esta situação, com que fins se desenvolverá, eventualmente, a Medicina do futuro? Poderão os profissionais de saúde dividirem-se em dois extremos totalmente opostos? Como olhar para a Medicina neste caso?

Ébola. Um vírus que continua com demasiadas perguntas em aberto.

*Nota: Dados até à data de 26 de Agosto do presente ano.
Artigo anteriorSimon Waddington
Próximo artigoKnockin’ on Science’s door
Isabel Correia Tavares é aluna do 3° ano na FCM-NOVA, onde ingressou em 2012. Proveniente de uma família tradicionalmente ligada à saúde, não degenerou nesse sentido; a originalidade foi escassa e conduziu-a a frequentar o curso de Medicina. As suas origens remontam ao Alentejo, sentindo-se uma privilegiada por ter crescido na bela cidade de Estremoz. Tem cultivado também o gosto pela natureza e pela fotografia, mantendo-se atenta ao que se passa à sua volta; por arte, onde inclui num lugar especial a arte equestre, e, como não poderia deixar de ser, pelas palavras do (e no) mundo e o poder que estas detêm.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here