Auscultação mediada ou “breve reflexão sobre como mulheres curvilíneas ou médicos recatados são a chave para o progresso”

No bolso da bata ou ao pescoço, quase tão certo quanto a bata branca, os estetoscópios poderão já não ser a arma de diagnóstico que foram no passado mas permanecem irrevogavelmente associados à imagem da profissão médica.

O ano era o de 1816 e o lugar o Hôpital Necker, em Paris. Confrontado com uma jovem doente com dor torácica, dispneia, anamnese e exame objectivo sugestivos de doença cardíaca, Laennec estuda as suas hipóteses. O biótipo da doente, agraciada com uma farta camada adiposa, impossibilita-o de recorrer à percussão e atenua eventuais sons que pudesse ouvir directamente; ao anterior, soma-se o seu desconforto em encostar o ouvido ao peito de uma mulher jovem (mais ainda tendo em conta a “generosidade” das suas curvas), inaceitável segundo a moral e bons costumes da época. Após um compasso de espera que se adivinha constrangedor, Laennec recorda-se de, num dia em que passeava no Jardin des Tuileries, ter observado duas crianças a utilizar um tubo de madeira para falarem uma com a outra. Inspirado, procura uma folha de papel, enrola-a e, encostando uma das extremidades ao peito da doente e a outra ao seu ouvido, é presenteado com o som do bater de um coração – nasce, assim, o estetoscópio, e com ele os sibilos, roncos, crepitações, sopros e galopes até então desconhecidos ao ouvido humano.

René Teophile-Hyacinthe Laennec nasceu em Quimper, França, há duzentos e trinta e seis anos, coincidindo a sua juventude com a dos atribulados tempos da Revolução Francesa. Fortemente inspirado pela convivência com o seu tio – médico no Hôtel-Dieu de Nantes, professor e director da Escola de Medicina de Nantes, Guillaume François Laennec – o seu interesse pela medicina recua aos tempos de adolescente: com apenas 14 anos era presença assídua no Hôtel-Dieu de Nantes e aos 17 anos servia já como cirurgião de terceira classe no Hospital Militar da cidade. Numa breve pausa antes de enveredar pelo estudo formal da Medicina, motivada pelo seu pai, advogado e poeta que via a carreira médica com desagrado, Laennec estuda grego e latim, torna-se um flautista exímio (talento e noções de acústica que terão, muito provavelmente, contribuído para o episódio acima descrito) e aventura-se na escrita de poesia. Finalmente, em 1801, com 19 anos, inicia a sua educação médica na École de Médecine de Paris, onde tem como mestres figuras como o anatomista e cirugião Guillaume Dupuytren, Xavier Bichat, e Nicolas Corvisart, o médico pessoal de Napoleão Bonaparte.

O le cilindre, como Laennec o designou, ou estetoscópio, nome que posteriormente lhe foi atribuído – do grego stethos (peito) e skopos (observar) -, não permaneceu na forma do seu protótipo original por muito tempo. Após aquele que foi um derradeiro momento de insight, o médico deu azo aos seus conhecimentos de carpintaria e, experimentando com diversos materiais e dimensões, construiu um cilindro de madeira oco, com 25 cm de comprimento e 2,5 cm de diâmetro. Três anos mais tarde, em 1819, Laennec publica o De l’Auscultation Médiate ou Traité du Diagnostic des Maladies des Poumons et du Coeur, tratado onde se debruça sobre a física subjacente ao funcionamento do estetoscópio e onde compila todos os seus estudos sobre a auscultação mediada ou indirecta, descrevendo pela primeira vez os sons pulmonares e cardíacos, cunhando termos como crepitações, egofonia, roncos e sibilos, e interpretando e correlacionando sons e achados post mortem, o que o levou a reconhecer várias patologias cardíacas e respiratórias (como são exemplos as pérolas e o catarro de Laennec, associados à asma brônquica).

l'ausc mediate
Capa do tratado “De L’Auscultation Médiate” (à direita) e página do mesmo referente ao le cilindre – os primeiros desenhos do estetoscópio (à esquerda)

Mas desengane-se quem pensa que a contribuição de Laennec para a medicina se ficou pela invenção do objecto (talvez) mais paradigmático da profissão médica. Num registo extratorácico e bem menos célebre, é ao médico francês que se atribui a criação do termo “cirrose”, reflexo provável dos seus estudos nas línguas clássicas. Publicado pela primeira vez numa nota de rodapé de um comentário acerca de achados incidentais – nódulos de uma tonalidade amarelada (do grego kirrhos, conduzindo à expressão latina cirrhosis) – no fígado de um doente alcoólico, Jean Edmé.

Numa circularidade irónica, em 1826 Laennec é formalmente diagnosticado com tísica – aquilo que mais tarde Koch viria a estabelecer como tuberculose – pelo seu sobrinho, empregando o mesmo estetoscópio com o qual tantos outros doentes tuberculóticos teriam sido auscultados. Conhecendo-se-lhe sintomas respiratórios desde os 15 anos, as longas horas de trabalho, a exposição inescapável a inúmeros doentes e as necrópsias no decurso do desenvolvimento das suas pesquisas sobre patologias respiratórias conduziram inexoravelmente à deterioração do seu estado de saúde. Meses mais tarde Laennec morre, com 45 anos, da mesma doença que vitimara a sua mãe quando este era ainda uma criança, deixando atrás de si um legado que catapultou a medicina para um novo paradigma e firmou o primeiro passo para o exame físico que hoje conhecemos.

Bibliografia e fontes de imagens

https://books.google.pt/books?id=VCejvvTmAxYC&pg=PA15&hl=pt-PT&source=gbs_toc_r&cad=3#v=onepage&q&f=false

http://repositorio.hff.min-saude.pt/bitstream/10400.10/971/1/A%20Invencao%20de%20Laennec.pdf

http://thephysicianspalette.com/2012/04/24/five-lessons-laennec/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1570491/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC471448/pdf/thorax00182-0001.pdf

http://www.archivesofpathology.org/doi/pdf/10.1043/0003-9985%282000%29124%3C1420%3ATLOLN%3E2.0.CO%3B2?code=coap-site

http://www.jaypeejournals.com/eJournals/ShowText.aspx?ID=10668&Type=FREE&TYP=TOP&IN=_eJournals/images/JPLOGO.gif&IID=819&Value=47&isPDF=YES

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/eb/Rene-Theophile-Hyacinthe_Laennec.jpg

https://cdn.theatlantic.com/assets/media/img/mt/2016/05/AP_887663950473/lead_960.jpg?1462834024

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here